Fc Noticias » Novidades » Táticas de guerra da roma antiga

Táticas de guerra da roma antiga

O exercito romano dominou grande parte do mundo na antiguidade, boa parte das conquistas deram-se por causa das formações. Veja neste artigo algumas táticas e formações do exercito romano. Acompanhe!

     

O exercito romano ficou conhecido na história por suas formações quase imbatíveis que conseguiam esmagar os inimigos com o menor número de perdas de soldados. Logicamente que todas as táticas dependiam do terreno e do inimigo, mas o exercito romano conseguia combater com uma formação eficiente que, além de proteger os soldados, retalhava as defesas do inimigo.

táticas de guerra romanas

Por muito tempo o exercito romano ficou conhecido por causa da tática de guerra, combatendo o inimigo corpo a corpo e simultaneamente aplicando estratégia de defesa.
(Foto: Reprodução)

O Exercito romano era um dos poucos que recebia treinamento, os soldados tinham que passar por treinamento simulado, treinos de combate, corridas carregando o equipamento de guerra, etc. Ao final o legionário recebia um certificado atestando a sua capacidade. Os equipamentos poderiam chegar a pesar 27 quilos e os treinos de combate eram realizados com armas de madeira. Para marchar por exemplo, a formação era alterada com a cavalaria na frente e na retaguarda.

Composição do Exercito

Todo exercito romano era formado por um general que estava sobre o controle. Um legado que comandaria uma legião, prefeitos de acampamentos, lhe eram concebidos com centuriões chefes, tribunos e cavalaria. Tribunos ficavam responsáveis por tarefas especificas, centurião chefe  comandava os centuriões e o centurião comandava um centúrio formado por legionários (soldados). Em ordem, na determinada batalha, ficava os legionários a frente na primeira linha, legionários com armas leves na segunda linha e ao fundo corneteiros e porta estandarte. Os centuriões costumavam ficar a direita para comandar, enquanto a cavalaria se mantinha nas extremidades. Toda formação também costumava ter uma reserva de soldados ao fundo, caso fosse necessário os arqueiros variavam de posição dependendo do terreno. Também ao fundo mantinha-se um optio (segundo no comando depois do centurião).

Formações

  • Primeira formação: essa formação mais simples se baseava na superioridade numérica, um general que tivesse mais homens poderia desfazer a linha de combate, assim o inimigo tentaria flanquear e cercar o exercito, nesse momento o centro ficava vulnerável dando a chance de atacar com força total.
  • Segunda formação: em força poderia concentrar o ataque na ala esquerda do inimigo, considerada a mais fraca pois os soldados deveriam se proteger e sofriam com o peso do escudo. O centro se mantinha alinhado evitando retaliações da ala direita do inimigo.
  • Terceira Formação: essa formação é semelhante a segunda, entretanto se baseia no seu exercito. Se sua ala esquerda é mais forte, concentre o ataque na ala direita do inimigo, fazendo com que ele recue para trás do centro e tendo que depender das reservas.
  • Quarta Formação: baseada na confiança de seus homens,  um ataque com as duas alas, contendo o inimigo, era realizado em três levas o que poderia deixar as outras levas sem defesa caso o inimigo resistisse ao primeiro ataque.
  • Quinta Formação: se a infantaria leve que geralmente fica na retaguarda ou flanqueando fosse boa, você poderia coloca-la a frente do centro do exercito, protegendo mais o centro da formação e atacando em ambas as alas.
  • Sexta Formação: o general que não confiasse muito na qualidade dos seus homens poderia direcionar o ataque à ala esquerda, mantendo as linhas no centro e a retaguarda. Assim, depois de quebrar a defesa, a ala esquerda poderia aproveitar alguma brecha.
  • Sétima Formação: caso o inimigo fosse fraco em número e força, o ataque poderia ser realizado em ambas as alas com mais liberdade, podendo usar uma montanha ou um rio como proteção, com a cavalaria dando cobertura.

Outras formações

Apesar destas serem as principais formações, a que ficou mais conhecida foi a Formação de Tartaruga. Essa formação se baseava em escudos, fazendo com que os soldados se protegessem contra o ataque dos arqueiros. Os legionários se abaixavam e cobriam todos os lados, inclusive em cima, assim que tinham chance avançavam até ficarem próximo o bastante para  acertar o inimigo com lanças.

Textos Relacionados:


Quer comentar ?