Fc Noticias » Saúde » Leite materno passa HIV

Leite materno passa HIV

Descubra se é possível passar o vírus HIV para o bebê através do leite materno. Vejas os riscos e as precauções necessárias para as gestantes infectadas com o vírus. Aqui, você entenderá como é possível saber se o bebê foi infectado com o vírus ou não. Confira!

     

Toda mulher grávida, que suspeita estar contaminada pelo vírus HIV, além de procurar um especialista e iniciar o tratamento adequado, ou seja, procurar o serviço de saúde para fazer o teste e logo ser orientada, deve estar ciente também de que podem transmitir o vírus para o seu filho.

Compreenda que a mãe infectada pelo HIV, não poderá amamentar, porém a saída será dar ao bebê a fórmula infantil, que é gratuito e fornecido até os seis meses de idade do bebê ou até os doze meses de idade, podendo estender essa idade também.

Nem mesmo a amamentação cruzada, ou seja, por outra mãe, é permitido pelos médicos, assim como também a pasteurização do leite em casa. O ministério da Saúde aconselha que seja suspenso totalmente o aleitamento e a inibição da produção do leite materno.

Atente-se, pois mulheres grávidas que possuem HIV, poderão ter riscos maiores ao decorrer da gravidez como:

Mulher grávida com flor na mão

• Parto prematuro
• RCF: Restrição do crescimento fetal
• Perda do bebê
Além disso, infelizmente é possível que o HIV seja transmitido para o bebê:
• Durante a gestação
• No parto
• Na amamentação

Dentre esses, o mais perigoso para transmissão do HIV ao bebê é na hora do parto, por conta da carga viral elevada. Sendo assim, é necessário que toda a gravidez seja acompanhada com o tratamento certo, pois sem o tratamento adequado, as chances da criança se infectar será de 25%.

Medidas necessárias para prevenir a transmissão do HIV ao bebê:

Mulher grávida e homem

• Medicamento
• Supervisão da carga viral
• Parto cesariana
• Não amamentar

Muitas mulheres se surpreendem com a notícia da doença, pois é possível saber se a mulher está com o HIV, a partir do momento que ela inicia o pré-natal. Logo, todas as medidas necessárias são tomadas para evitar a transmissão vertical do HIV.

Entenda que na hora do parto é dado a gestante contaminada a zidovudina, conhecida como AZT, que diminui as chances da transmissão do vírus ao bebê. Geralmente esse medicamento é dado pela veia, três ou quatro horas antes do parto.

O parto cesariana é o indicado pelos médicos, pois diminui o contato do bebê com as secreções maternas. Assim que a bolsa rompe, as contrações podem dar espaço para a troca de fluidos entre a mãe e o bebê. Logo, a cesariana diminui o risco de transmissão do vírus.

O bebê assim que nasce também recebe o AZT, o medicamento é dado nas primeiras duas horas, após o nascimento e continua sendo dado por mais ou menos seis semanas, pois é o período em que ainda não dá para saber se o bebê foi infectado pelo vírus HIV.

Como saber se o bebê foi infectado

Mãe olhando para o seu bebê.

O teste tradicional não dá resultados exatos, pois todo bebê que nasce de uma mãe infectada pelo vírus do HIV, nasce com anticorpos contra o vírus no sangue. Sendo assim, é necessário testar o bebê para detectar o vírus.

O exame poderá dar negativo nas primeiras semanas de vida, isso acontece em 40% dos casos, porém, após a segunda semana de vida do bebê, o resultado tem 90% de chances de dar a resposta correta.

No entanto, somente após alguns meses é permitido ter a certeza de que o bebê foi ou não infectado pelo vírus HIV, pois, somente após alguns meses, os anticorpos transmitidos pela mãe, desaparece do sangue do bebê. Porém, desde o início os médicos dão aos bebês um medicamente anti-retrovirais nas primeiras semanas de vida.

 

Textos Relacionados:


Quer comentar ?